terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

Entrar na Quaresma com Pascoinhas


Como este ano quase que passámos por cima do Carnaval, ou Entrudo, se preferirem, aproveitamos o seu terceiro e último dia para voltarmos a uma espécie que já começou a entrar em floração e cujo nome vulgar está associado ao período da Páscoa que agora se inicia: as Pascoinhas.

Mas antes disso, sobretudo para aqueles que tendo o privilégio de assinalar freneticamente o dia de hoje nos mais diversos corsos, não têm presente o porquê de tanta euforia nos inícios de Fevereiro, relembramos que estes 3 dias de excesso são mesmo a última janela de oportunidade que têm antes de entrarmos no período de abstinência e recolhimento que se inicia amanhã, dia 10, Quarta-feira de cinzas e primeiro dia da quaresma.

O facto de ser sempre uma terça-feira, mas em dias diferentes do ano também tem uma justificação e decorre tão só e apenas do facto do Dia de Páscoa também ser um feriado móvel, determinado por uma regra pouco conhecida mas há muito estabelecida: O dia de Páscoa celebra-se em cada ano no primeiro Domingo a seguir à primeira lua cheia que ocorrer após dia 21 de Março (dia convencionado, embora muitas vezes assim não seja, em que ocorre o equinócio da Primavera).

Uma vez identificado esse Domingo ( que neste ano de 2016 será a 27 de Março) andam-se 40 dias para trás (Domingos não contam) e temos com rigor o dia em que deve começar a Quaresma.Como na Quaresma não entram os prazeres da carne, o adeus a esta fica forçosamente confinado aos 3 dias anteriores: este ano dias 7, 8 e 9  - sendo também certo que para muitos há já bons motivos para a folia desde a semana passada.

Curiosamente, e como lembrávamos AQUI no ano passado, a propósito do dia de ramos, é amanhã que se devem queimar os os ramos de oliveira, alecrim, rosmaninho e outras flores primaveris que se fizeram na Páscoa de 2015. É com as cinzas desses ramos que nas celebrações da Igreja católica se dá com rigor início ao período que nos conduzirá à Páscoa.

Dito isto, ficámos com pouco espaço para dar atenção às pascoinhas (Coronilla glauca) que a partir de agora, e seguramente até ao final de Maio, vão cobrir de amarelo muitos dos campos do centro e sul de Portugal. Não lhe são conhecidas aplicações medicinais ou outros usos, mas o seu valor ornamental é tanto que está dispensada disso. AQUI deixamos o link para a entrada que publicámos há quase dois anos sobre este arbusto que faz as delícias de quem nos visita!

1 comentário: