terça-feira, 17 de outubro de 2017

Baixar os braços


Nesta altura do ano gostaríamos de apenas falar sobre sementeiras,  o que semear e qual a melhor maneira de o fazer. Mas o infortúnio, sem qualquer paralelo, que se abateu este fim-de-semana sobre o nosso país detém-nos uma vez mais. O cenário de destruição de Pedrogão Grande repete-se, supera-se e pulveriza-se. Para nós, considerar que esta tragédia é um cenário que devemos considerar como normal, condenado a repetir-se, e com o qual teremos de aprender a conviver,  é demasiado grave para um país que se pensava soberano. E quando não conseguimos proteger e defender sequer a que era possivelmente a melhor e mais bem ordenada floresta do nosso território - O pinhal de Leiria, ardido em 80%, há mesmo uma reflexão profundíssima a fazer com óbvias ilações a retirar. Ou se reconhece que houve incapacidade, uma vez mais,  ou então é evidente que somos um país que simplesmente não pode ter floresta.

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Uma Arca de Noé. De sementes Portuguesas.


No passado dia 6 de Outubro, em Braga, o Banco Português de Germoplasma Vegetal, em conjunto com a  ATAHCA - Associação Desenvolvimento das Terras Altas do Homem, Cávado e Ave, assinalou os seus 40 anos promovendo uma conferência Internacional sob o tema “Conservação dos Recursos Genéticos: na Alimentação, nos Sistemas de Produção e nos Bancos de Germoplasma”.

Não obstante estarmos sobretudo focados nas sementes das espécies silvestres para fins ornamentais e paisagísticos, foi para nós um privilégio poder assistir ao conjunto de apresentações e diferentes painéis de oradores que, com enfoques diversos mas complementares, perspectivaram a extrema importância dos nossos recursos genéticos vegetais numa perspectiva da segurança alimentar das gerações futuras.

O Banco Português de Germoplasma Vegetal, integrado hoje no INIAV e localizado em Merelim- Braga, tem uma designação que, temos de reconhecer, assusta a maior parte de nós. É um nome, diríamos, demasiado hermético para designar o que é na realidade e que qualquer um tem facilidade de perceber a importância:

DIriamos antes que é sim uma imensa Arca de Sementes que conserva o essencial das espécies que os nossos agricultores utilizam para produzir os alimentos que consumimos: Os cereais, as leguminosas, as hortícolas, e tantas outras espécies nas suas inúmeras variedades regionais que ao longo dos séculos foram sendo seleccionadas pelos nossos antepassados. É, portanto uma Arca de Noé. De sementes Portuguesas. Que garante que o essencial desse valioso património colectivo é guardado e passado às gerações futuras. Só isso e já é imenso!

Atenção: Não é uma loja de sementes nem disponibiliza sementes a coleccionadores e interessados! A sua missão é simplesmente preservar!

Esta Arca de Noé, iniciada em 1976 pela prof. Renna Farias - uma cidadã brasileira que, tivemos nós essa sorte, dedicou a energia da sua vida a construí-la para nós, e hoje continuada pela Eng. Ana Barata - que, mais não fosse pelo facto de também ser mulher, nos garante que a sua missão de guardar a agro-biodiversidade continua em boas mãos guardiãs. Está entre os mais de 1700 que existem pelo mundo e destaca-se, pela quantidade e diversidade de sementes guardadas, no grupo dos 170 mais importantes, conforme reconheceu a FAO em 2016.

Dos diferentes painéis e oradores, gostaríamos de destacar, cometendo a injustiça de não referenciar muitos outros igualmente relevantes,  a apresentação da Investigadora e professora Dulce Freitas que muito recentemente viu o seu projecto de investigação sobre a introdução das sementes na Península Ibérica ser seleccionado pelo Conselho Europeu para a Investigação (AQUI) E que nos próximos anos irá estudar como se processou,  a partir da Ibéria de meados do século XVIII, a introdução das espécies oriundas dos novos mundos descobertos, revolucionando a alimentação e proporcionaram o crescimento populacional sem precedentes que a partir daí toda a Europa alcançou.

Nota final - Talvez mais subtilmente do que o desejado, este texto pretende também ser uma desenvergonhada homenagem às mulheres que individualmente e no seu todo, em Portugal e em tantos, tantos outros sítios do mundo, chamam a si a tarefa de guardar as sementes para o Futuro. Fecundas como a terra que semeiam são e serão sempre a única terra de onde poderá, um dia, brotar alguma coisa! E é tanto assim e está de tal forma enraízado no nosso sub-consciente, que, enquanto esta missão tiver nome de Banco a cobrir a sua evidente natureza materna, dificilmente alguma vez será compreendido e apreendido à primeira pela maior parte de nós!

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Galardões Eco-Escolas - Dia das bandeiras verdes 2017


Participámos hoje no Dia das bandeiras verdes 2017, realizado no parque desportivo de Mafra e que, pode dizer-se é o dia maior do Programa Eco-Escolas promovido pela ABAE, Associação Bandeira Azul da Europa.

Um dia maior de um Programa MAIOR! que ao longo de 2017 e há já varios anos trabalha com centenas de escolas, professores e alunos em acções orientadas para a sustentabilidade e a educação ambiental. Ao longo deste dia forma mais de 4000 os alunos que oriundos de escolas de todo o país que participaram nas mais diversas actividades .

Um dia para a apresentação dos resultados do que se fez no último ano lectivo; para reconhecer o muito trabalho desenvolvido e sobretudo para preparar o novo ano que agora começa e a estratégia para 2017-2018 que será muito centrada nas questões da nossa floresta autóctone.

Além de termos participado na Eco-mostra, junto com dezenas de projectos das mais diversas naturezas e que, como nós, acreditam que a aposta na educação ambiental é o que de mais relevante podemos fazer para que tenhamos concidadão cada vez mais conscientes de que a Terra é a nossa casa, tivemos ainda o privilégio de colaborar com a ABAE num desafio colocado a todos os participantes que receberam a oferta de um pacotes de sementes de pinheiro-manso!

Se tudo correr bem, e vai correr, serão mais 4 mil experiências mágicas de germinação que tivemos o privilégio de poder ajudar a concretizar!

Obrigado ABAE! Votos de um grande Eco-escolas neste ano lectivo a todos os professores e alunos. Em 2018 voltaremos certamente a encontrar-nos!

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Outono: Tempo de semear!



Hoje é oficialmente o último dia de Verão e mais logo, pelas 21h02minutos, de acordo com o Observatório Astronómico de Lisboa, ocorre o equinócio de Outono, isto é  o " instante em que o ponto central do sol passa no equador" e em que, pelo menos em termos de percepção, o dia iguala a noite em duração. 

Na realidade e aspectos astronómicos à parte, a verdade é que poucos de nós ainda conseguem sentir que estamos no Verão. São dias perfeitos e de temperatura agradável, mas de luz coada e humidade no ar,  com tonalidades de cobre,  que deixam antever a diminuição dos dias que se aproxima.

Porém, longe de ser melancólica, o Outono é uma estação vibrante de oportunidades! Para nós, a melhor época para semear a maior parte das sementes das espécies autóctones , as quais encontram agora as condições perfeitas de luz e humidade para que a vida que nelas existe desperte e enraíze antes da chegada do Inverno, em meados de Dezembro.

Em Portugal e em muitos outros países do hemisfério norte convencionou-se que as mudanças de estação ocorrem nos equinócios e nos solstícios. Mas convém ter presente que é apenas uma convenção, que não existe qualquer entidade galáctica que ordene e legisle o tema! Para nós, por exemplo, a prática irlandesa faria muito mais sentido. Numa manifestação da sua herança céltica e do seu calendário com apenas duas estações, o início das estações tem ligeiros desvios, começando o Outono a 1 de Setembro (O Inverno a 1 de Dezembro, a Primavera a 1 de Março e o Verão a 1 de Julho). 

Todavia, apesar de relevante, admitimos que seria o cabo dos trabalhos mudar hábitos tão instalados. Daí que nos foquemos no absolutamente essencial e que é relembrar, para o caso de nos termos esquecido, que vivemos num planeta perfeito que todos os dias faz o seu caminho de forma impecável, sem oficinas nem custos de manutenção!

A uma agradável e discreta velocidade de 30 kms/s ou 108.000 km/hora! A velocidade certa e aconselhada para percorrermos sem percalços de maior os 930 milhões de Kms que iremos fazer juntos com o nosso planeta nos próximos 365 dias!

Uma boa época de sementeiras e uma boa viagem nós próximos 30 dias, para todos os que nos seguem, são os nossos votos! 

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Catálogo Geral de Sementes de Flora autóctone - 2017-2018


Setembro é para nós o início  do Tempo de Semear e, como tal, a altura indicada para publicar aquele que será sempre o nosso catálogo mais importante: O Catálogo Geral de Sementes autóctones. Um catálogo que editamos pela 5ª vez e que na prática sintetiza um ano de trabalho intenso com um objectivo em em mente: O de disponibilizar a todos os que o pretendam, sementes do maior número possível de espécies autóctones que ocorrem no nosso país.

Germinar sementes é a melhor maneira de ter por perto as espécies silvestres que, seja qual for a razão que nos mover, quisermos ter por perto. E se é verdade que no nosso país não temos grande tradição de jardinagem, também é verdade que são cada vez mais aqueles que consideram a flora silvestre aquela que mais qualidades oferece se pretendermos ter jardins únicos, sustentáveis e sofisticados.

É evidentemente um mercado de hiper-nicho mas que por ser tão pequeno encerra em si toda a esperança do mundo: É que, qualquer que seja a perspectiva, só pode crescer! Como não nos cansamos de repetir, germinar sementes está longe de ser uma ciência esotérica e qualquer um, desde que munido de vontade, o poderá fazer.

O presente catálogo contém sementes de cerca de 371 espécies da nossa flora. Mais 31 que na edição do ano passado e que nos aproxima do número que já há  alguns anos temos em mente:  isto é, os 10% da nossa flora que, no mínimo, têm relevância ornamental. 

O catálogo não tem qualquer pretensão cientifica e organiza de forma simples as espécies pelos seus nomes científicos em categorias que são facilmente apreendidas pela maioria das pessoas que se interessam pela nossa flora.  e que a partir de agora Nesta edição é constituído pelos seguintes capítulos: 

  • Árvores - 42 espécies, tendo sido adicionadas as espécies de Quercus mais relevantes
  • Arbustos e sub-arbustos - 70 espécies, das quais destacamos novas espécies de Ericas e Thymus e a muito ornamental Cornus sanguinea
  • Trepadeiras - 13 espécies - mais uma espécie: Clematis campaniflora
  • Herbáceas - 205 espécies - adicionadas mais 11 espécies, destacando-se as Cerinthe major (Chupa-mel), Dianthus broteroi (cravinas-bravas) e Lysimachia vulgaris (Grande Lisimaquia)
  • Gramíneas - 25 espécies - mais uma espécie: Typha domingensis
  • Alhos e bolbos - 16 espécies.
Sempre que possível acrescentámos ainda o nome vulgar pelo qual a espécie é conhecida. No catálogo deste ano distinguimos também as espécies que além de ornamentais são consideradas como aromáticas, medicinais ou utilizáveis na nossa alimentação. Pelas diferentes categorias podem encontrar-se cerca de 40 dessas espécies, das quais destacamos a Valeriana, a Betónica e a Malva silvestre para dar apenas alguns exemplos.

Terminamos por fim e como já vem sendo nosso hábito com duas referências da maior importância. A primeira, de agradecimento a todos aqueles que nos têm ajudado a trazer á luz do dia este projecto e que das mais variadas formas ajudaram a consolidar este catálogo geral. A segunda, de apelo ao feed-back que qualquer um considere relevante enviar-nos. Todos os comentários, sugestões e criticas, são bem vindos. E essenciais para nós.



quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Tempo de semear e recomeçar



Se no último post partilhávamos o que para nós é, sem qualquer dúvida, o que não devíamos estar a fazer - e que na prática é transformar um país que, ao que nos dizem, já foi um jardim, num triste eucaliptal à beira-mar plantado, este será totalmente focado no seu oposto e no enorme espaço que sempre continua a existir para todos os que não pretendem entregar-se ao desalento.

Evidentemente a acção individual não resolverá estruturalmente problemas que carecem de decisões de planeamento do território em maior escala, mas pode fazer toda a diferença. E ainda mais se forem somadas muitas pequenas acções.

O "Homem que plantava árvores", conto de Jean Giono, que partilhámos nesta mesma página no início deste ano de 2017, AQUI,  tem esse potencial de inspiração e esperança que pode preencher qualquer um de nós.

Como escrevíamos na altura " o que é notável e inspirador neste conto de Jean Giono ( 1895-1970) são os diferentes níveis de leitura que ele possibilita. Descrevendo a acção de um pastor solitário que sozinho criou um novo bosque, fervilhante de vida, o que por si só é uma obra maior, o autor remete-nos subtilmente para as infinitas possibilidades da condição humana e que cada um de nós tem, por mais adverso que seja o contexto: O de recomeçar e persistir com esperança na mudança que queremos para cada um de nós e em nosso redor. 

É uma mensagem que se pode ler em todos os momentos do ano, mas que ganha ainda mais relevância nos momentos de recomeço, pelo que não nos cansamos de sugererir  o seu visionamento ou a leitura do livro.

É que Setembro, estando nós hoje a apenas 15 dias do equinócio de Outono, marca o início de um novo ciclo da vida no hemisfério Norte. Muito mais que 1 de Janeiro - o inicio do nosso calendário romano, hoje generalizado no mundo de cultura ocidental, é com o Outono que realmente há a oportunidade de recomeçar, semeando e colocando na terra o que queremos ver crescer e florir na Primavera/Verão de 2018.

Perspectivar o tempo de maneira circular, como faziam os nossos ancestrais pagãos, traz inúmeras vantagens sendo que a maior é mesmo liberta-nos da perspectiva linear dos "crescimentos constantes" a que a sociedade actual considera normal exigir e que não têm qualquer paralelo na Natureza que nos rodeia e da qual fazemos parte. Daí que, se há um regresso às aulas dos mais novos, também pode e deve haver um regresso à terra, ao jardim, à horta, ao bosque ou à floresta de qualquer um que não se resigne e queira recomeçar semeando.

Que o conto de Jean Giono possa inspirar mais alguns dos que nos seguem em novos recomeços, são os nossos votos!



quinta-feira, 31 de agosto de 2017

A triste e insustentável eucaliptização do Litoral

Agosto de 2017 - margens da Lagoa de Óbidos. O novo eucaliptal,em baixo, contíguo ao bosque mediterrânico, em cima, foi igualmente eaté há bem pouco tempo um frondoso bosque .


Depois de alguns dias na costa vicentina e de regresso ao trabalho, partilhamos hoje, último dia do mês de Agosto, um post sobre um dos temas centrais que marcam irremediavelmente  a actualidade tal foi a violência dos incêndios que em 2 meses reduziram a cinzas vastas áreas do centro do país.

Fazêmo-lo neste último dia de Agosto, que  já tem cheiro de Outono, porque gostaríamos de reservar Setembro para aquilo que ele tem de melhor: preparar a nova época de sementeiras que se aproxima: Outubro e Novembro são os meses em que se decide o que se quer ver ver florir na Primavera de 2018 e para isso contamos acrescentar mais espécies aos nossos catálogos e apresentar novas ideias para quem quiser que este seja, aqui e agora, o momento de semear flora autóctone. Na horta, na varanda, no quintal, no jardim ou, porque não, no bosque que um dia se queira legar.

Porém, à parte os vitais e essenciais aspectos comerciais deste projecto - uma nano-empresa, diríamos, vitais para a sua sobrevivência económica, há questões centrais de cidadania às quais, mesmo visando nós a rentabilidade e o lucro, é impossível ficar indiferente.

E a questão central para nós, como já referimos em momentos anteriores, prende-se com a imperiosa urgência em conseguirmos, enquanto povo, implementarmos politicas de ordenamento florestal e territorial consistentes e com uma visão de futuro sustentável. Não pretendemos esgrimir argumentos - são diversos os especialistas, bem mais capazes do que nós, que nos últimos meses têm apontado as soluções. As quais, de forma alguma, estão acolhidas na reforma florestal, recentemente aprovada e sob-pressão, para descargo de consciências de alguns.

Dessas medidas agora aprovadas, que não conhecemos em profundidade, há todavia um aspecto que, pelo que temos lido nos jornais, nos deixa no mínimo perplexos: A diminuição da área de eucalipto das regiões agora ardidas terá por contrapartida o licenciamento de novas plantações, em progressiva menor área, no litoral do país.

Não percebendo nós muito bem como é que tal será implementado e fiscalizado e não tendo bem presente onde acaba o litoral de um pais com o máximo de 200 Km de largura, não deixa de ser muito estranho o rumo traçado.

Para começar porque não se percebe como serão recuperados os solos já esgotados do interior. Quem irá financiar essa recuperação? Como se faz? Depois porque o dito litoral está já hoje hiper-eucaliptado. Monchique, Lousã, Caramulo, Minho e por ai acima até à Corunha já foram entregues aos métodos associados à espécie. Significará que se irá licenciar a eucaliptização partes do litoral Alentejano (ainda mais)?) da região Oeste(ainda mais)? E como se fará a atribuição desse jackpot que é hoje poder plantar eucaliptos? Todos os proprietários poderão plantar ou só alguns? E se forem só alguns, de que forma serão ressarcidos os restantes que não acederem a essa lotaria???

Será a ideia substituir o Pinhal litoral por um Eucaliptal litoral à semelhança do que foi promovido no Pinhal Interior? `Será desanexar, com a facilidade que todos nós sabemos ser desporto nacional, solos agrícolas das bacias do Lis, do Baixo Mondego e do Baixo Vouga, onde a produtividade ainda é mais estonteante? Não sabemos e desconfiamos que ninguém saiba.

Na região Oeste em particular, onde estamos sedeados e que conhecemos bem, o eucalipto já avançou pelas areias litorais substituindo o pinheiro em muitos povoamentos a norte da Nazaré e até às matas nacionais. Entre Caldas-da-Rainha e Torres Vedras sucedem-se os novos povoamentos os quais  até nas margens da lagoa de Óbidos - um ecossistema que deveria ser reserva natural, no qual se gastam milhões de Euros em dragagens de desassoreamento, outrora povoada de fulgurantes bosques mediterrânicos - se plantam eucaliptos à pressa em pleno mês de Agosto, tal qual como noutras zonas de Leiria conforme relatado pela imprensa local (AQUI), procurando salvaguardar as futuras restrições da lei.

As imagens acima, das margens de um dos braços da Lagoa de Óbidos, dispensam quaisquer descrições tão evidentes são as diferenças de beleza, biodiversidade e respeito pelo solo. A manhosa técnica de arrotear tudo e qualquer arbusto para que só os eucaliptos vinguem, destruindo irremediavelmente a estrutura do solo e para que se a comunicação social exiba provas de que os eucaliptais são limpos pelos zelosos proprietários e logo ardem menos (pudera !) são suficientemente explicitas do que é que está em questão.

A ser executado é para nós óbvio que este é um caminho "mais do mesmo" e que  não acautela uma gestão estratégica do território. Que no futuro acarretará aos vindouros pesadas facturas.

Se na nossa opinião a monocultura de eucalipto deveria ser desde já fortemente limitada, admitimos que não é viável acabar com ela no imediato (embora nos pareça também óbvio que isso acabará por acontecer um dia, seja por obsolescência seja pelas alterações climáticas. E esse é um cenário sobre o qual deveríamos estar a pensar: o que fazer a um imenso território que daqui a algumas décadas vai estar ecologicamente destruído e sem qualquer proveito económico).

Nesta perspectiva, sendo insustentável que todo o litoral seja um imenso eucaliptal, resulta claro que, por uma questão de igualdade de condições de exercício dos proprietários florestais, a cultura do eucalipto só pode ser possível dentro de regras bem definidas e claras que não excluam povoamentos de outras espécies que assegurem uma função ecológica.

Fazer o que nos últimos 100 anos não fizemos, será complexo e demorado. Mas não será por falta de propostas em cima da mesa que não se fará o que tem de ser feito. Das muitas propostas, destacamos duas que nos parecem urgentes e de elementar bom senso:

A constituição de entidades responsáveis por áreas territoriais que, com escala, permitam uma floresta ordenada e com um mosaico de diferentes povoamentos, como defendido por Pedro Bingre do Amaral, é, também no litoral, uma evolução para qual deveremos caminhar o quanto antes. 

Encontrar formas de remuneramos colectivamente os serviços de ecossistema prestados por uma floresta diversificada e bem ordenada , desviando o que se gasta hoje, por exemplo, no combate aos incêndios em acções de prevenção e ordenamento, como defende o Arquitecto Paisagista Henrique Pereira do Santos, parece-nos igualmente outra proposta muito razoável e que permitirá suprir uma falha onde o livre-mercado-iniciativa não funciona e produz resultados que prejudicam a nossa sociedade no seu todo. 

Outras haverá, em diferentes vertentes, desde mentais, jurídicas e operacionais, mas sem estas, ou outras similares com igual alcance, que proporcionem uma efectiva administração do território com a escala necessária, dificilmente estaremos a caminhar no bom sentido.