sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Outono: Tempo de semear!



Hoje é oficialmente o último dia de Verão e mais logo, pelas 21h02minutos, de acordo com o Observatório Astronómico de Lisboa, ocorre o equinócio de Outono, isto é  o " instante em que o ponto central do sol passa no equador" e em que, pelo menos em termos de percepção, o dia iguala a noite em duração. 

Na realidade e aspectos astronómicos à parte, a verdade é que poucos de nós ainda conseguem sentir que estamos no Verão. São dias perfeitos e de temperatura agradável, mas de luz coada e humidade no ar,  com tonalidades de cobre,  que deixam antever a diminuição dos dias que se aproxima.

Porém, longe de ser melancólica, o Outono é uma estação vibrante de oportunidades! Para nós, a melhor época para semear a maior parte das sementes das espécies autóctones , as quais encontram agora as condições perfeitas de luz e humidade para que a vida que nelas existe desperte e enraíze antes da chegada do Inverno, em meados de Dezembro.

Em Portugal e em muitos outros países do hemisfério norte convencionou-se que as mudanças de estação ocorrem nos equinócios e nos solstícios. Mas convém ter presente que é apenas uma convenção, que não existe qualquer entidade galáctica que ordene e legisle o tema! Para nós, por exemplo, a prática irlandesa faria muito mais sentido. Numa manifestação da sua herança céltica e do seu calendário com apenas duas estações, o início das estações tem ligeiros desvios, começando o Outono a 1 de Setembro (O Inverno a 1 de Dezembro, a Primavera a 1 de Março e o Verão a 1 de Julho). 

Todavia, apesar de relevante, admitimos que seria o cabo dos trabalhos mudar hábitos tão instalados. Daí que nos foquemos no absolutamente essencial e que é relembrar, para o caso de nos termos esquecido, que vivemos num planeta perfeito que todos os dias faz o seu caminho de forma impecável, sem oficinas nem custos de manutenção!

A uma agradável e discreta velocidade de 30 kms/s ou 108.000 km/hora! A velocidade certa e aconselhada para percorrermos sem percalços de maior os 930 milhões de Kms que iremos fazer juntos com o nosso planeta nos próximos 365 dias!

Uma boa época de sementeiras e uma boa viagem nós próximos 30 dias, para todos os que nos seguem, são os nossos votos! 

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Catálogo Geral de Sementes de Flora autóctone - 2017-2018


Setembro é para nós o início  do Tempo de Semear e, como tal, a altura indicada para publicar aquele que será sempre o nosso catálogo mais importante: O Catálogo Geral de Sementes autóctones. Um catálogo que editamos pela 5ª vez e que na prática sintetiza um ano de trabalho intenso com um objectivo em em mente: O de disponibilizar a todos os que o pretendam, sementes do maior número possível de espécies autóctones que ocorrem no nosso país.

Germinar sementes é a melhor maneira de ter por perto as espécies silvestres que, seja qual for a razão que nos mover, quisermos ter por perto. E se é verdade que no nosso país não temos grande tradição de jardinagem, também é verdade que são cada vez mais aqueles que consideram a flora silvestre aquela que mais qualidades oferece se pretendermos ter jardins únicos, sustentáveis e sofisticados.

É evidentemente um mercado de hiper-nicho mas que por ser tão pequeno encerra em si toda a esperança do mundo: É que, qualquer que seja a perspectiva, só pode crescer! Como não nos cansamos de repetir, germinar sementes está longe de ser uma ciência esotérica e qualquer um, desde que munido de vontade, o poderá fazer.

O presente catálogo contém sementes de cerca de 371 espécies da nossa flora. Mais 31 que na edição do ano passado e que nos aproxima do número que já há  alguns anos temos em mente:  isto é, os 10% da nossa flora que, no mínimo, têm relevância ornamental. 

O catálogo não tem qualquer pretensão cientifica e organiza de forma simples as espécies pelos seus nomes científicos em categorias que são facilmente apreendidas pela maioria das pessoas que se interessam pela nossa flora.  e que a partir de agora Nesta edição é constituído pelos seguintes capítulos: 

  • Árvores - 42 espécies, tendo sido adicionadas as espécies de Quercus mais relevantes
  • Arbustos e sub-arbustos - 70 espécies, das quais destacamos novas espécies de Ericas e Thymus e a muito ornamental Cornus sanguinea
  • Trepadeiras - 13 espécies - mais uma espécie: Clematis campaniflora
  • Herbáceas - 205 espécies - adicionadas mais 11 espécies, destacando-se as Cerinthe major (Chupa-mel), Dianthus broteroi (cravinas-bravas) e Lysimachia vulgaris (Grande Lisimaquia)
  • Gramíneas - 25 espécies - mais uma espécie: Typha domingensis
  • Alhos e bolbos - 16 espécies.
Sempre que possível acrescentámos ainda o nome vulgar pelo qual a espécie é conhecida. No catálogo deste ano distinguimos também as espécies que além de ornamentais são consideradas como aromáticas, medicinais ou utilizáveis na nossa alimentação. Pelas diferentes categorias podem encontrar-se cerca de 40 dessas espécies, das quais destacamos a Valeriana, a Betónica e a Malva silvestre para dar apenas alguns exemplos.

Terminamos por fim e como já vem sendo nosso hábito com duas referências da maior importância. A primeira, de agradecimento a todos aqueles que nos têm ajudado a trazer á luz do dia este projecto e que das mais variadas formas ajudaram a consolidar este catálogo geral. A segunda, de apelo ao feed-back que qualquer um considere relevante enviar-nos. Todos os comentários, sugestões e criticas, são bem vindos. E essenciais para nós.



quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Tempo de semear e recomeçar



Se no último post partilhávamos o que para nós é, sem qualquer dúvida, o que não devíamos estar a fazer - e que na prática é transformar um país que, ao que nos dizem, já foi um jardim, num triste eucaliptal à beira-mar plantado, este será totalmente focado no seu oposto e no enorme espaço que sempre continua a existir para todos os que não pretendem entregar-se ao desalento.

Evidentemente a acção individual não resolverá estruturalmente problemas que carecem de decisões de planeamento do território em maior escala, mas pode fazer toda a diferença. E ainda mais se forem somadas muitas pequenas acções.

O "Homem que plantava árvores", conto de Jean Giono, que partilhámos nesta mesma página no início deste ano de 2017, AQUI,  tem esse potencial de inspiração e esperança que pode preencher qualquer um de nós.

Como escrevíamos na altura " o que é notável e inspirador neste conto de Jean Giono ( 1895-1970) são os diferentes níveis de leitura que ele possibilita. Descrevendo a acção de um pastor solitário que sozinho criou um novo bosque, fervilhante de vida, o que por si só é uma obra maior, o autor remete-nos subtilmente para as infinitas possibilidades da condição humana e que cada um de nós tem, por mais adverso que seja o contexto: O de recomeçar e persistir com esperança na mudança que queremos para cada um de nós e em nosso redor. 

É uma mensagem que se pode ler em todos os momentos do ano, mas que ganha ainda mais relevância nos momentos de recomeço, pelo que não nos cansamos de sugererir  o seu visionamento ou a leitura do livro.

É que Setembro, estando nós hoje a apenas 15 dias do equinócio de Outono, marca o início de um novo ciclo da vida no hemisfério Norte. Muito mais que 1 de Janeiro - o inicio do nosso calendário romano, hoje generalizado no mundo de cultura ocidental, é com o Outono que realmente há a oportunidade de recomeçar, semeando e colocando na terra o que queremos ver crescer e florir na Primavera/Verão de 2018.

Perspectivar o tempo de maneira circular, como faziam os nossos ancestrais pagãos, traz inúmeras vantagens sendo que a maior é mesmo liberta-nos da perspectiva linear dos "crescimentos constantes" a que a sociedade actual considera normal exigir e que não têm qualquer paralelo na Natureza que nos rodeia e da qual fazemos parte. Daí que, se há um regresso às aulas dos mais novos, também pode e deve haver um regresso à terra, ao jardim, à horta, ao bosque ou à floresta de qualquer um que não se resigne e queira recomeçar semeando.

Que o conto de Jean Giono possa inspirar mais alguns dos que nos seguem em novos recomeços, são os nossos votos!