terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

Amor e Murta


Em dia de namorados voltamos a uma das espécies nossas preferidas e que materializa na perfeição o espírito do dia. Para quem nos segue é chover no molhado pois não é a primeira vez que a destacamos, quando tantas outras igualmente interessantes nem sequer referenciámos. Porém, como já tivemos oportunidade de escrever antes, se o sobreiro é a árvore de Portugal, a Murta poderia muito bem ser o arbusto emblemático do nosso país.

Trata-se provavelmente da planta que está na origem de mais nomes na toponomia das nossas aldeias e vilas, sendo inúmeras as declinações: Murtal, Murteira, Murtosa, Almortão, entre outras, povoam o nosso país e provam que desde há muito que não somos indiferentes a este arbusto perene de folhas aromáticas e flores delicadas que ocorre em praticamente todo o país.

É verdade que também é comum a toda a bacia do mediterrâneo e sobre ela existe um extenso património cultural construído ao longo de milhares de anos. Considerada pelos gregos e romanos como símbolo da Paz e do Amor, a murta era uma planta sagrada, dedicada a Afrodite e a Vénus, divindades nas mitologias grega e romana, respectivamente. Curiosamente, ainda hoje os ramos de murta fazem parte dos bouquets de casamento de muitas noivas um pouco por toda a Europa, e não é por acaso que o de Kate Middleton também tinha uns raminhos de uma murta plantada pela rainha Vitoria em 1845. 

Como escrevíamos acima, além da simbologia, a murta é uma planta que exala um agradável aroma limonado e possui  características lhe têm conferido múltiplas utilizações, desde medicinal, no tratamento de doenças das vias respiratórias e urinária até ao uso alimentar e condimentar - flores, bagas e folhas, verdes ou secas são facilmente incluídas na confecção de diversos pratos e grelhados. Em diversas regiões de Portugal as suas bagas – denominadas murtinhos - são ainda usadas na fabricação de licores. Noutros países ainda, é cultivada para extracção dos seus óleos essenciais, posteriormente utilizados quer pela indústrias da perfumaria e alimentar na preparação de molhos e aromatizantes.
E se ter um arbusto no jardim, nosso e ainda por cima aromático, que remete o nosso  espírito para a PAZ e o AMOR, já seria mais do que suficiente para todos a devêssemos  ter por perto e em abundância, nós acrescentamos mais duas razões: a ornamental e a ecológica. Num jardim é um arbusto sempre verde que pode ser utilizado em sebes ou isolado, que não exige cuidados de maior (prefere solos pouco ou nada calcários, mas também não excessivamente ácidos, bem drenados e sem exposição excessiva ao sol ), suportando bem as geadas e as podas. Do ponto e viste ecológico,  as suas bagas são muito apreciadas por pequenas aves que lhe agradecem o alimento numa altura em que ele começa precisamente a escassear - o  Início do Inverno. 

As nossas sementes de Myrtus communis,  colhidas em murtais do centro de Portugal, são uma boa opção para todos aqueles que pretendem começar por uma aposta segura em matéria de flora autóctone. Com uma temperatura a rondar os 16º e luz q.b. pode ser semeada em qualquer altura e a sua germinação é praticamente garantida!

Nota - O presente artigo, publicado originalmente na revista Jardins de Outubro de 2017, sintetiza, na pratica dois anteriores textos publicados neste blogue AQUI e AQUI.

3 comentários:

  1. Podem enviar-me sementes de Murta, à cobrança postal? Se sim depois envio o endereço

    ResponderEliminar
  2. Bom dia Sr. Aquiles. Se puder envie-nos uma mensagem para geral@sementesdeportugal.pt! Com os melhores cumprimentos, Joao gomes

    ResponderEliminar
  3. Muito obrigado. Uma planta de que sempre gostei muito e sobre a qual hoje aprendi muitas coisas.

    ResponderEliminar